Avalon

01/04/2017

Ontem sonhei... sonhei com você atravessando a neblina de Avalon.

O vento se refugiou entre tuas vestes de fada, tornadas em palavras sob as sombras imorredouras de Yggdrasil.

Fogueiras se acenderam sob caldeirões antigos e negros, e um hino soou sem fim no círculo infinito do coração do Mago.

Feiticeiras banhavam-se nuas nos rios da alma, enquanto plácidas margens retocavam o absoluto. Então, a luz inconversível de teus olhos gritou por sua voz, despertando os pássaros do ontem em ermos poleiros do futuro.

Por uma fração infinitesimal de algo ainda não revelado, o antigo e o novo convergiram para o lago eterno... abriu-se a visão:

O orvalho do tempo, desmaterializando-se, corria por tuas faces... enfim, nua flor são teus abraços nos beijos mais molhados!

Carlos França