Uma viagem de Édipo a Harry Potter - Autoconhecimento

04/09/2017

Recentes do Blog

Livro encantador que nos faz visitar o mais profundo de nós. Nascido das raízes da sensibilidade e de um coração onde as palavras são como borboletas coloridas e livres.

O escorpião com seu grande poder transformador vive no oceano de suas emoções, testando os limites humanos da paixão. Suas águas são profundas e impenetráveis. E só quem sabe disso, não se espantem, ele mesmo. Nas lutas intensas que travam dentro de si próprios geram a força da regeneração, do nascer de novo. De um lado, a luz aí surge...

"Era um imenso lago azul, transparente em sua
liquidez, porém azul, cristalino ao meu olhar.
Eu estava diante dele.

Singo - Libra

10/10/2017

No refúgio da constelação de Libra vibram cordas tão tenazes e perfeitas que mesmo o peso de uma balança imprecisa se equilibra. Libra em seus atos delicados e afetivos faz pontes com o outro, com o próximo... ali, um outro eu na verdade.

Para aquele que tem 7 anos, 7 meses e 7 dias de diferença de mim, que É nascido à meia-noite como eu e que eu reencontrei e me reencontrou nessa estância num dia 7.

ALQUIMIA IV

14/09/2017

Um anjo solitário e virgem flutuava nas arenas impenetráveis da noite como sombra e luz, porém se feriu pelo dilúvio das sensações vivas ali presente. A primeira coisa a ser notada foi uma lei que aprendera há muito, uma certa irresistibilidade diante do homem. Algo inteiramente novo para ele.

Uma narrativa densa e elaborada sobre uma irmandade de bruxas na Idade Média. Um misto de realidade histórica, feminismo , erotismo e ficção-científica que tecem uma trama original e surpreendente. O Culto do Lobo é um livro singular, que traz como pano de fundo a Inquisição e os valores da Idade Média. De maneira natural, situa o leitor nessa...

A vista nos deliciava como em nenhum outro lugar das terras latinas ou bárbaras. Nessas vastidões que pareciam intermináveis aos olhos de qualquer mortal, florestas se erguiam como extensões beatificadas pelos deuses eternos, enquanto as montanhas jaziam como testemunhas dos poderes de eras antigas da Terra. Ali nos extensos vales, os rios...

Naquela hora da tarde, inflexíveis sombras dominavam a fachada inferior da casa, parecendo que a parti dali a cobririam com vestes solenes. O silêncio mélico dos campos ia se desfazendo vagarosamente, enquanto o crescente zunido dos insetos anunciava a chegada da noite. A bruxa escrevia, recostada numa cadeira de carvalho, o conhecimento de uma...

Aqui nesse recanto esquecido do mundo, fiquei conhecida como Marie Christine Émilie Deffand, ou mais apropriadamente, Madre Marie Deffand. Porém, de fato, o meu nome é Urtra, a feiticeira do Vale dos Lobos, este verdadeiro nome de cuja pronúncia vem sentindo saudades os meus ouvidos, que estiveram por muito tempo cativos do silêncio sublime.

Capítulo IV  -  O Direito e o Dever de Curar-se

" Quem descobre a verdade sobre si mesmo, liberta-se de todas as inverdades e ilusões. Liberta-se do egoísmo, da ganância, da luxúria, da vontade de explorar, de defraudar os outros. Liberta-se de toda a injustiça, de toda a desonestidade, de todos os ódios e maledicências de todo o mundo caótico do velho ego."

Huberto Rohden

"A circularidade da vida nos oferece certas possibilidades: de um retorno significativo, de uma segunda chance e o que é mais essencial, a transformação de certos valores. Se o todo de nossos anseios permitirem uma descida segura aos mundos inferiores da nossa personalidade, poderemos, com certa prontidão, tomar de assalto alguns demônios que vivam por lá e obrigá-los a subir para áreas mais iluminadas do ser. É razoável imaginar que muitos deles tomarão um rumo diferente de sua natureza, mesmo que outros ainda prestem juramento à insensatez. De qualquer jeito, as tochas do autoconhecimento deverão permanecer acesas diante do templo das horas e, no seu altar-mor, um cálice deverá estar cheio com o vinho do amor próprio."

Carlos França

Este é um capítulo especial, pois dialogaremos aqui com dois mitos, um antigo e outro muito atual. Além disso, é uma amostra de como a literatura, a arte de uma maneira geral, nos coloca diante de um mundo riquíssimo que reflete nossa condição humana, nos ensinando, entretendo e curando. No presente capítulo será abordada a questão da orfandade a partir da análise de obras literárias que tocam nesse tema com desenvoltura mítica.

O órfão como maior símbolo humano da procura de si mesmo é característico de algumas histórias. Se por um lado a arte imita a vida, por outro, a arte tem esse poder de revelar possibilidades revigorantes e surpreendentes. Embora, somente no fato de nos chamar atenção para certas evidências, na nossa cara muitas vezes, que de outro modo não perceberíamos ou tardaríamos a enxergar, já notamos aí um grande valor e uma beleza radiante.

Com relação as obras, a primeira é um clássico da literatura mundial, Édipo Rei, de Sófocles e a outra, a obra contemporânea, Harry Potter, de J.k. Rowling. Na narrativa de ambas, o conhecimento ou desvelamento da personagem principal sobre si mesma é essencial para o desenrolar da trama, o ápice e o fechamento da mesma. Com efeito, observa-se momentos na narrativa que convergem para esse tópico do autoconhecimento, como por exemplo, a utilização no plano formal da obra, da dimensão profética.

Numa análise da filosofia de Sócrates em relação a máxima, conhece-te a ti mesmo, ou seja, sobre o problema do autoconhecimento, o filósofo afirmava que deveríamos nos ocupar menos com as coisas (riqueza, status, poder) e mais conosco em nossa essência humana. Que o tipo de verdade desejável é somente aquela capaz de transformar o ser do sujeito com o poder de modificar nossa relação com tudo, começando com gente mesmo.

A própria palavra órfão/orfandade soa como algo doloroso e terrível, pois além do seu significado ordinário traz também a representação de um estigma social, aumentando o fardo de quem foi dessa forma atingido, ao ser destacado ou diferenciado. Apenas em ampliar o simbolismo de orfandade, acrescendo novo significado ao termo, tomando por base a literatura como campo de pesquisa e estudo é algo interessante e promissor.

E a partir daí formar conteúdos e entendimentos dentro da história ficcional que possam revelar caminhos de superação ou ressignificação dessa adversa experiência humana. Isso poderá trazer benefícios tanto para aqueles que vivenciaram em suas vidas de forma direta, bem como para as pessoas que a vivenciaram de maneira simbólica. A grande maioria por sinal. Aqui podemos incluir, no plano extrínseco da obra, a própria autora J.K. Rowling que perdeu a mãe aos 25 anos, e um tempo depois o pai se casou novamente.

Uma outra contribuição do estudo, não menos importante e provavelmente mais ampla, se impõe diante do vazio moral e da falta de valores maiores em uma sociedade massificada pela televisão e aparelhos virtuais de maneira predominante. A releitura e análise de clássicos literários do passado em comparação ao surgimento de novas histórias que toca o mítico nesse horizonte da pós-modernidade, trazendo valores como a honra, a amizade, o altruísmo, a coragem, o amor e o autoconhecimento é por demais relevante.

Nas obras literárias em questão, constata-se quase de imediato a importância do autoconhecimento para o herói, pois vem antecipado dentro da própria narrativa através de um enigma, profecia ou prodígio. Contudo, isso não significa uma facilidade para o herói, pelo contrário, pode ser um fator agravante da jornada, causando um revés com consequências profundas.

De todo modo, esses vaticínios são divisores de águas, pois trazem de maneira contundente os grandes desafios que a personagem terá que dar conta ou superar, já que é alguém marcado pelo "destino". Dito de outra maneira, simplesmente um sujeito com vivência incomum ou diferenciada da grande maioria. Condição, aliás, que o órfão pode ser incluído facilmente em termos dos padrões de nossa sociedade.

A quebra do afeto de uma pessoa cara da relação parental ou a descoberta de uma origem diferente da qual se acreditava, obriga o indivíduo a entrar em contato muito cedo com a experiência mais definitiva da existência - a morte, seja em seu sentido real ou simbólico. Privado ou diferenciado de suas relações primárias e afetivas, e não raras vezes, em meio à realidade dura e discriminadora, muito de seu desenvolvimento e realização na vida dependerá de como responderá e resolverá essa ferida, essa falta, essa marca indelével em seus primeiros anos de vida ou até mais além.

A ferida se torna uma espécie de questão imposta pela existência a ser respondida de alguma maneira, que não está direcionada para um determinado caminho mais positivo ou negativo, mas cujas resoluções podem ser construídas e alcançadas. O caso não é tão diferente na vida real ou na ficção. Nesse ponto, "chamemos" Sófocles em sua magistral obra pela voz de Édipo.

ÉDIPO

"(Prosseguindo, em tom de confidência.) Meu pai é Políbio, de Corinto; minha mãe, Mérope, uma dória. Eu era considerado como um dos mais notáveis cidadãos de Corinto, quando ocorreu um incidente fortuito, que me devia surpreender, realmente, mas que eu talvez não devesse tomar tanto a sério, como fiz. Um homem, durante um festim, bebeu em demasia, e, em estado de embriaguez, pôs-se a insultar-me, dizendo que eu era um filho enjeitado. Possuído de justa indignação, contive-me naquele momento, mas no dia imediato procurei meus pais e interroguei-os a respeito. Eles irritaram-se contra o autor da ofensa, o que muito me agradou, pois o fato me havia profundamente impressionado.

À revelia de minha mãe, e de meu pai, fui ao templo de Delfos; mas, às perguntas que propus, Apolo nada respondeu, limitando-se a anunciar-me uma série de desgraças, horríveis e dolorosas; que eu estava fadado a unir-me em casamento com minha própria mãe, que apresentaria aos homens uma prole malsinada, e que seria o assassino de meu pai, daquele a quem devia a vida. Eu, diante de tais predições, resolvi, guiando-me apenas pelas estrelas, exilar-me para sempre da terra coríntia, para viver num lugar onde nunca se pudessem realizar - pensava eu - as torpezas que os funestos oráculos haviam prenunciado."

Eis aí a desdita de Édipo que desperta para sua trágica jornada numa festa, quando um homem revela algo inusitado e inesperado. Com efeito, ali Édipo era alguém que nada sabia sobre si, sobre sua verdadeira história. Da mesma forma, Harry Potter por 11 anos era ignorante de todo seu passado e de sua condição. Não muito diferente de Harry, Édipo andava sobre a face da Terra como uma espécie de cego para si próprio, embora sua vida naquela sociedade onde fora criado era de destaque entre os notáveis.

E nessa vida e local poderia permanecer incólume, mas como ele mesmo confidencia, "o fato me havia profundamente impressionado", fazendo-o agir. E que acontecimento era esse afinal? Um único e definitivo para qualquer ser humano: a possibilidade de ter sido rejeitado. Isto lhe abriu uma ferida emocional, que foi implantada pela dúvida contra a subjetividade que havia sido construída e ensinada em seu lar adotivo.

Essa dúvida faz-se notar claramente no texto de Sófocles, apenas pela menção - de que era um filho enjeitado -, feita por um homem embriagado, portanto um indivíduo fora de sua razão. E nesse ponto esse tal homem se assemelhava a Édipo simbolicamente, pois era alguém num estado de inconsciência ou pouca consciência fazendo uma revelação para outro inconsciente de si. E mesmo depois, não adiantou o fato de o homem ter sido desacreditado pelos pais adotivos, que muito se indignaram com a situação.

Não teve jeito, aquilo fisgou Édipo irresistivelmente, a ponto de procurar o oráculo para dirimir suas dúvidas. Por quê? A resposta mais simples seria: porque era homem e como homem ressentiu a funesta revelação. A resposta mais complicada diríamos, que de forma insconsciente sempre soubera de sua condição. Não sendo diferente da realidade, onde muitos órfãos sente algo diferente em relação aos pais, sem nunca ter sabido da adoção.

Contudo, isso bastaria? Provavelmente não, e há um indicativo no texto de Sófocles que demonstra isso, já nesse momento decisivo da trama, que tem relação com o seu caráter, "À revelia de minha mãe, e do meu pai, fui ao templo de Delfos". Assim, é o herói ao menos possuidor de um temperamento inquieto ou impulsivo, senão despótico. Coisa que nesse momento da narrativa a personagem não tinha a mínima consciência de que suas inconsistências e suas idiossincrasias podiam leva-lo a uma situação de extrema desvantagem.

Édipo foi exposto pelo próprio pai, Laio, a fim de evitar o cumprimento de outra profecia (ou da mesma, se aceitarmos como uma continuidade ou complementaridade) de que seria morto pelo filho.

Já no caso do órfão Harry Potter, ele é entregue aos seus tios, logo após a morte de seus pais, assassinados por Lord Voldemort, um bruxo das trevas, também órfão, o mais temido bruxo de todos os tempos. Então na vigência do seu décimo primeiro ano, Harry tem seu primeiro contato com o mundo da magia, quando o guarda-caças de Hogwarts, Hagrid, outro órfão da narrativa, informa que ele é um bruxo e por isso tem uma vaga garantida na Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts.

Na trama escrita por J.K. Rowling, o personagem Harry Potter vai tomando consciência de sua história de forma paulatina. Cada livro narra um ano da vida de Harry em Hogwarts. Onde aprende a arte e os conhecimentos do mundo dos bruxos, mas também amadurece ao ultrapassar obstáculos sociais e emocionais de um adolescente com suas características, entre as quais a de ser órfão. Entretanto, um momento parece ser decisivo, quando no quinto livro da série, Harry Potter e a Ordem da Fênix, ele toma conhecimento de uma profecia que de certa maneira moldou a vida da personagem até ali e definirá o seu futuro também. Em semelhança ao filho de Laio, muita coisa também foi ocultada da vida de Harry.

"- Aquele com o poder de vencer o Lord Negro se aproxima... Nascido daqueles que por três vezes o desafiaram, nascido ao fim do sétimo mês... E o Lorde Negro vai marcá-lo como seu igual mas ele terá um poder desconhecido pelo Lord Negro... E um deve morrer pelas mãos do outro porquanto nenhum poderá viver enquanto o outro sobreviver...

(...)

- Ele escutou apenas o início, a parte anunciando o nascimento de um menino em julho de pais que haviam desafiado Voldemort por três vezes. Conseqüentemente, ele não pôde avisar ao seu mestre que atacar você seria arriscar transferir poderes para você e marcá-lo como um igual. Assim, Voldemort nunca soube que poderia haver perigo em atacar você, que seria melhor esperar, aprender mais. Ele não sabia que você poderia ter poder que o Lord Negro desconhece.

- Mas eu não tenho! - disse Harry com um fiapo de voz. - Não tenho nenhum poder que ele não tenha, não poderia lutar como ele lutou esta noite, não posso possuir pessoas ou... Matá-las...

A profecia que estabelece o "destino" de Harry, a semelhança do oráculo de Delfos para Édipo, vale-se da condição de ser inevitável, "E um deve morrer pelas mãos do outro porquanto nenhum poderá viver enquanto o outro sobreviver..." Embora aqui não esteja definido o resultado de maneira estrita como no caso de Édipo, já que existe um fator moderador, o fulcro da balança que penderá para um lado ou para o outro até a vitória final, o conhecimento, o desenvolvimento de si mesmo.

De qualquer forma, nesse instante da profecia, Harry compreende inteiramente, o que talvez sempre soubesse pelos acontecimentos de sua vida, pois era um marcado, um órfão de nascença, tendo sofrido de diversas maneiras os revezes e a dificuldade dessa condição, que chegaria o tempo do enfrentamento daquilo que causara a ferida nele.

Um outro ponto revelador da profecia é o fato de ser marcado como a um igual, o que é dito textualmente "E o Lorde Negro vai marcá-lo como seu igual", ou seja, Voldemort em termos psicológicos é o lado sombrio de Harry. Podemos até falar numa sizígia, numa junção Harry-Voldemort. Na sua vasta obra C.G. Jung , em repetidas referências, compreende a sombra como tudo que o indivíduo tem de ruim, odioso, inferior, primitivo, pouco desenvolvido e quer esconder, ou seja, o lado negativo ou obscuro da personalidade, também é o outro numa relação especular.

Neste mesmo livro da série a autora J.K. Rowling desenvolve a estratégia de liga-los mais profundamente, incluindo acesso por vezes a pensamentos de um e de outro, notadamente o fato de conhecer as mudanças de humor. No mais, Voldemort também era órfão como Harry, sua mãe Mérope , morreu pouco tempo depois de dar a luz e ele foi parar num orfanato em Londres. O pai já havia abandonado a mãe, depois dela não enfeitiça-lo mais com uma porção do amor, ou seja, já existia ali uma condição de desamor. Assim, a ligação dos pais era mantida pelo exercício de um poder . Como em Édipo, os pais de Voldemort são negativos, ao passo que com Harry sucede justamente o contrário.

Por outro lado, o ambiente menos afetuoso parece que fora aquele reservado para Voldemort, uma instituição para órfãos. Édipo teve mais sorte com relação a sua adoção, e Harry, embora não tenha sido feliz em morar com os tios, havia alguma afetividade, mesmo que enviesada daqueles seus únicos parentes. Então, surge a questão, se Rowling ao colocar a personagem Tom Riddle, Voldemort, sendo criado num orfanato, analisando-se pelo plano extrínseco da obra, não seria uma compreensão cultural ou pessoal que os orfanatos não funcionam como deveriam?

Na história de Sófocles, Édipo não deixará de mostrar seu lado obscuro e terrível, enquanto que na obra de J.K. Rowling, houve a externalização e concentração desse lado obscuro na figura de Voldemort. No entanto, o que resultará em muitos revezas para essa personagem está ligado mesmo a questão de seu autoconhecimento, e um desses pontos é justamente a impossibilitado de alcançar sentimentos e entendimentos do maior valor humano - o amor.

Na verdade, todo desconhecimento de si invariavelmente leva a dificuldades ou desastres pessoais. De qualquer jeito, além da trama fatídica e infeliz de Édipo, quando do confronto consigo mesmo na luz de toda verdade, e a partir dali, ainda que de maneira trágica, houve uma transformação nele ou do ser do sujeito.

Em mais um trecho observamos, "mas ele terá um poder desconhecido pelo Lord Negro". Aqui ambos se encontram no limite do desconhecimento, pois nenhum dos dois faz a menor ideia do que seja esse poder. Harry num fio de voz anuncia, "Mas eu não tenho!". Já outro, nem mesmo sabe que isso havia sido mencionado na profecia. Por essas premissas, pode-se inferir isto: um dos dois, Harry ou Voldemort, aquele que resolver esse vaticínio, assemelhando-se a Édipo quando questionado pela esfinge, poderá dar conta do enigma e viver, mas tal coisa não basta, senão seria suficiente para o próprio Édipo, e não foi.

Como é possível perceber existem semelhanças e diferenças que aproximam as duas narrativas. Além dos órfãos das duas histórias estarem envolvidos em profecias e prodígios, uma das primeiras coisas a nos chamar a atenção é o fato que os mesmos carregam marcas em seus corpos, sugerindo um conhecimento/acontecimento terrível do passado dos mesmos. Isso tem força de símbolo primordialmente.

Nessas narrativas, a marca representa uma ferida emocional, uma inconsistência a ser resolvida. A orfandade ensina duras lições, e uma das primeiras é que as coisas não são dadas facilmente, é necessário se lutar muito, já que se começa a vida com uma desvantagem considerável. Em Édipo, antes de ser abandonado, teve os pés furados pelo próprio pai, tornando-se inchados, significado do seu próprio nome em grego, Oudipus. Em Harry Potter, uma cicatriz em forma de raio em sua testa, o único sinal físico da maldição de Voldemort e pelo que se tornou conhecido "O Menino que Sobreviveu".

Não importa, as feridas precisam ser sanadas a tal ponto que não se sinta dor, ou uma dor demasiada ao tocá-las. Quanto as cicatrizes não é bom se exigir muito, devem ficar por lá como marcas de nossas superações. E se nos sentirmos confortável um dia, usá-las como exemplo, experiência e referências para outros momentos da vida, afinal ali está a prova que lutamos e sobrevivemos.