FELIZ 2018!

30/12/2017

Um ano melhor, mais pleno, mais próspero, mais cheio de afeto, mais sonhos realizados, mais livros, mais saúde, enfim, mais tudo!

É possível observar os ciclos acontecendo e os que aconteceram. É possível atrelá-los a aprendizados e a noções mais amplas da vida. É possível dizer que pessoas passaram por nossas vidas, que outras nunca saíram e que um tanto mais nunca estiveram. É certo ainda que alguns processos internos finalmente se ajustaram, se resolveram, embora nem sempre da forma esperada.

E como isso é legal também, pois há coisas maiores no universo que tem seus próprios encaminhamentos. De qualquer jeito, é preciso sermos capazes de apreciar o brilho do sol lá fora nas diversas situações. Esse ato simples nos enche de esperança, pois há força na simplicidade e no espetáculo da natureza. Assim, há força na montanha e no mar ou no olhar profundo de quem amamos.

É possível ver que fizemos laços; que criamos oportunidades afetivas verdadeiras; que vínculos e preciosidades nasceram de fontes transbordantes de amizades ou de paixões; que também minguamos em sentimentos, em ilusões, em cobranças demasiadas; que sofremos e que renascemos. É possível percebermos que o mundo é muito maior do que imaginamos, complicado e cheio de desafios, mas que o nosso interior é um jardim que necessita de todo cuidado, quase sem descanso, pois dele demos, damos e daremos todos os nossos primeiros passos.

É possível observar que nada está perdido, porque nada é nosso também. Ainda assim, voltarmos ao caminho de uma antiga lição que afirma que o universo é pleno de riquezas, embora possamos estar desanimados e desconfiados. Afinal de contas, são tantas lutas no decorrer de um ano ou de anos que fica difícil a esperança. O que não entendemos às vezes é que o segredo está nas mudanças que devem ser feitas. O que não que dizer que seja fácil, pelo contrário. De qualquer sorte, é possível dizer que podemos acertar mais de agora em diante, mas que também erraremos muito se não estivermos atentos.

Então, nessa gestação de sermos inteiros, se o que nos abraça é o tempo passageiro, está na hora de nos desafiarmos para a aventura de vivermos mais leves e livres, tendo o valor do afeto como nosso companheiro e nossos sonhos voltados para o espelho do sol que ilumina caminhos e corações verdadeiros.

Escritor e Psicólogo

Carlos Costa França