Machado de Assis - A Língua Portuguesa

06/03/2017

O que quero de Machado é essa perfeita acolhida, que abre os poros da semântica sem qualquer mácula escrita. É um  servir ao vasto léxico dessa língua imprópria e bendita na vocação de ser latina, igual a si mesma e filha íntima, virgem e promíscua.

A Língua Portuguesa  quase sempre lusitana amiga-irmã, maiúscula, minúscula, antiga e recém-parida.

Para os devotos maiores, só resta  possuir a diva latina a ponto de exaurir o centro móvel do tabernáculo, e fixá-lo num templo maior de mármore, onde o verbo se revista de uma tal universalidade que se me diga sempre monoteísta.

E dali ser tão exata e precisa na língua viva, falada e escrita que mova altares de proezas estéticas e estilísticas. Ou por esta idéia agora inventada e ambígua, que se sou artista ou lingüista ela  me traumatiza na felicidade de ser altruísta, pois tudo que sou é possui-la.

Ela é minha, e em mim egoista!

Carlos França