O Amor

19/02/2017

"Por vezes imaginamos o amor

E ele brinca com nossos sonhos


Por vezes o olhamos

E sabemos que ele é como o silêncio


Por vezes o sentimos

E descobrimos que vive em cada ato desinteressado


Por vezes caminhamos com ele

E simplesmente nos dá as mãos


Por vezes está a nossa frente

E ele toca o horizonte de nossas vidas


Por vezes nos banha de luz

E somos essa luz


Por vezes nos aconchega

E abraçamos quem está perto


Por vezes abraçamos a nós mesmos

E nos toca a face


Por vezes sentimos a sua verdade

E ele nos liberta


Por vezes entendemos a sua essência

E libertamos o outro


Por vezes assistimos ao espetáculo da existência

E ele ajuda a entender o sofrimento


Por vezes estamos distraídos

E vemos a beleza do que foi criado


Por vezes vamos na direção de um olhar

E ele nos guia até a alma de alguém


Por vezes visitamos o caminho do tempo

E ele diz que o agora é o mais importante


Por vezes levamos uns tapinhas nas costas

E sabemos que é hora de perdoar


Por vezes nos beija as faces molhadas de suor

E sabemos que devemos nos doar


Por vezes são as lágrimas que escorrem

E ele nos acolhe


Por vezes já não tememos a vida

Pois nos tornamos o melhor dos seus visitantes


Por vezes abandonamos todo o egoísmo

E ele nos chama de filho


Por vezes move-se para dentro

Então nos cura


Por vezes move-se para fora

E cura ao outro


Por vezes nos fala

E somos aprendizes divinos


Por vezes falamos

E nascemos anjos


Por vezes o vemos nascer

E o criamos como a criança divina dentro de nós


Por vezes nos alimenta

E somos o elo com tudo que existe


Por vezes brinda a um momento de alegria

E sabemos que nosso coração é digno


Por vezes sorri para a tristeza

E sabemos que há algo superior no homem


Por vezes é só amor

E sentimos a plenitude do carinho de Deus"


Carlos França

(Faz parte do livro, O Direito e o Dever de Curar-se, de conteúdo psicológico)

O livro se encontra no Clube de Autores