Carlos Costa França

Em 1987 ingressou no curso de Odontologia, concluindo em 1992, ano que também entrou no curso regular de Psicologia. Em função da busca espiritual, estudou religiões antigas e mitologia.

Hoje além de escrever, divide seu tempo entre a clínica em psicologia, o ensino e o caminho espiritual.

Atualmente está escrevendo o quinto romance. Além disso, tem dois livros infantis, três livros de poesias e uma série de escritos.

Só para registrar, esta ano de 2017, por alguns acontecimentos e coincidências significativas resolvi mudar o sobrenome que utilizava para meus livros, Costa, para, França. Sobrenome este do meu avô paterno que se chamava João França.


Um pouquinho de mim

Minha alma sofre de uma liberdade que não outorguei, de uma certa primavera que acomete os poetas, os mânticos e os aluciados. Não sou nem morto nem vivo, teço o verossímil com o impossível nas palavras em que vivo.

Talvez um totem na vitrine do invisível e do sensível, resgatando a afinidade dos laços imemoriais e dos ritos esquecidos, pois não me vejo desobrigado ao inusitado das palavras em lábios puríssimos.

Gostar não revelado por qualquer singularidade, existo no descontínuo de onde habito, na interface, no link, no hiperlink de corações sensíveis. Do escorpião perco o antídoto quando o veneno é mais líquido e o sabor digno do vinho que corre da intuição feminina.

O que me afeta é a luz curvar-se sozinha no acaso, quando os caninos no vazio mergulhado a me lembrar: és dentista... Mas quando acordo, estou lá, em outros mistérios, um universo desconhecido.

Vivo ali também na escuta que procura a riqueza de significados nas palavras e nos sonhos vivos, velejando como psicólogo no mar de sentidos, onde Camões era almirante altivo. E se avisto terras, são praias lusitanas que trarão a todos o alívio, de volta para casa de sua alma e o brilho  a esses rostos esmorecidos.

No mais profundo, um escritor, pois tenho uma alma a voejar que de mim mesmo vivo assombrado... presta-se a um tal descaramento no enamorar com a Intensidade que a Fidelidade é o temperamento de mudar a realidade de lugar.

Carlos França

Curiosidades

Casado com Sunna Costa França, artista plástica, pianista, modelo e escritora. O livro Caravana da Alma é uma celebração ao encontro das alma repartidas, sendo  dedicado a ela. O livro prenunciou e precedeu ao nosso encontro. 

Neste ano de 2017, lançaremos um livro em conjunto  com nossas cartas um para o outro.

Dedicatória de Caravana da Alma

"É impossível estabelecer ou descrever a grandiosidade dessa descoberta dentro de mim, já que você é alma minha.

E do tempo que atravessamos, vida após vida, o elo se refez num único e eterno dia, um gesto mínimo de dedos e o sol dourado explodindo em luz sublime.

Da ternura me visto como um guardião encantado. Solto todas as amarras do coração e volto-me para sombra de seus dias belíssimos.

A voz que escuto fala do madrigal das andorinhas que sabem do silêncio do cuidado, distante ou próximo, ou de qualquer outro jeito. No imprevisível agora, apenas busco o segredo de seu bem-estar!"

Carlos França