en-VARANASI

14/03/2017

Estava em Nova Déli, na Índia, a fim de concluir a pós-graduação em imunologia. Da janela do avião, antes de descer, pude ainda assistir a um espetáculo crepuscular, a luz se perpetuava teimosamente sobre a fímbria do horizonte, lançando sobre aquela parte do firmamento raios vermelho-ocres. Daquela pequena janela o mundo não tinha fronteiras e as...


A poderosa visão rompeu o tapume violento e negro da noite e do tempo. Flores de pétalas negras sob a vastidão velada do desejo tornaram-se vermelhas, tornaram-se alvas.

en-SEI...

08/03/2017

Sei que a vida é de verdade, e de verdades.

"Há muito tempo nas proximidades do deserto do Saara, um manuscrito antigo foi descoberto em uma caverna. Uma criança o achou acomodado dentro de um vaso de cerâmica, ainda intacto apesar dos anos. Ficou intrigado com a pe­ça e, principalmente, seu conteúdo. Rolos de papiro, todos contidos e protegidos por um alforje roliço de coro. Ele o levou...

O que quero de Machado é essa perfeita acolhida, que abre os poros da semântica sem qualquer mácula escrita. É um servir ao vasto léxico dessa língua imprópria e bendita na vocação de ser latina, igual a si mesma e filha íntima, virgem e promíscua.

Nunca me aproximei de Clarice como deveria, talvez nem mesmo a busquei no ovo primordial das demandas existenciais. Compreendi bem cedo que da sua força literária sou um conhecedor desconfiado e um usuário autista.

Num certo domingo de agosto de 2015, eu e Sunna fomos conhecer a casa de Jorge Amado e Zélia Gatai localizada no Rio Vermelho, aqui em Salvador, Bahia. Tudo se deu de uma maneira um tanto inusitada.

en-Fadas

23/02/2017

"Há fadas que são como as chamas de um vulcão que explode, e, ainda assim, sua delicadeza é como uma flor que desabrocha no silêncio após uma palavra de ternura."

"O carnaval tem sua beleza e prodígios, como os apelos da alegria e o grande espetáculo vivo e, por vezes, incrível.

en-Carnaval

21/02/2017

"Ontem andava pela calçada, atento ao movimento do outro lado da rua... uma loucura! O carnaval invadia a via longa e ensolarada do desejo, fazendo reféns por todos os lados.

Os lobos uivam, fendendo o tempo, a velhice e a solitude do verbo. Os sentidos bruxos mergulham na matéria esquecida e inculta, desnudando-a de sua capa desonesta. Doces vozes ciganas clamam por minhas feridas e uma certa saudade impura.

"Na névoa densa, os lobos moviam-se em direção ao vale profundo, despertando nossos sentidos humanos, ainda que insuficientes diante do dejúrio dos anjos.

"Via-me indefesa diante da fera, ao mesmo tempo, tão entregue e possuída. O lobo era majestoso e de todo inverossímil pelos modos e pelo tamanho. Não me assustei tanto com sua presença, mas algo do seu olhar antigo e terrível trespassava a carne em direção ao nosso íntimo, vasculhando as intenções e a nossa vontade enquanto feiticeiras.

en-Yemanjá

19/02/2017

Hoje levei umas rosas
Para perto do mar
Quando das serenas horas
Cheguei e vi chegar

Alguém já me perguntou como escolher um livro para ler. Falei o seguinte: fazer uma lista dos títulos mais atrativos, segundo nosso gosto e nossa intuição para aquele período. E leríamos o que nossa alma ordenasse.